Poliomielite: O retorno de um antigo vilão

A poliomielite, também conhecida como paralisia infantil, é uma doença infecto-contagiosa aguda causada pelo políovirus. A doença é mais comum em crianças, mas pode ocorrer em adultos que não foram vacinados.

O risco de ressurgimento

A doença que foi registrada pela última vez no Brasil em 1989 corre o risco de reaparecer pela falta de vacinação. Segundo estudo da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), o Brasil é o segundo país das Américas com maior risco de volta da poliomielite.

Transmissão da doença

A poliomielite é transmitida por via fecal-oral, por meio de gotículas ou secreções, por objetos, água e alimentos contaminados. Por isso, a falta de saneamento e higiene pessoal podem favorecer a contaminação.

Sintomas mais frequentes

  • Febre
  • Mal-estar
  • Rigidez na nuca
  • Espasmos
  • Vomito e diarreia
  • Dor de cabeça, garganta e no corpo

Fique atento

Os sintomas da poliomielite podem variar ou até mesmo ocorrer a falta de sintomas em alguns pacientes. A doença pode causar paralisia e levar à morte, por isso a importância de cumprir o calendário de vacinação.

Tratamento

Não há um tratamento específico para a poliomielite. Os pacientes diagnosticados com a doença devem ser hospitalizados para que recebam o tratamento de acordo com os sintomas apresentados.

Prevenção

A vacina é a única forma de prevenir a poliomielite. Caso seja contaminada, a criança poderá ter sequelas irreversíveis como paralisia de uma das pernas, paralisia muscular e dificuldades para falar.

O esquema vacinal contra a poliomielite nos postos de saúde é de três doses injetáveis aos 2,4 e 6 meses de vida e mais duas doses de reforço da vacina oral (gotinha). Não deixe de vacinar seu filho!